As 11 Melhores Fontes de Carboidratos

Carboidratos saudáveis
 

Buscando alimentos para ter mais energia no dia a dia e nos treinos? Então, você está no lugar certo, trazemos esse artigo com as melhores fontes de carboidratos para adicionar à sua dieta. Os carboidratos são a principal fonte de energia do organismo e ingerir alimentos ricos em carboidratos bons é essencial para termos energia e disposição ao longo do dia.

O que são carboidratos?

Carbos, ou carboidratos são moléculas que tem átomos de carbono, hidrogênio e oxigênio.

Na nutrição, carboidratos refere-se a um dos três macronutrientes. Os outros dois são: proteínas e gorduras. Sua principal função na dieta é fornecer energia.

Vamos conhecer as mais indicadas fontes de carboidratos para ganhar massa muscular e perder gordura?

1. Aveia

A aveia é um dos alimentos de grão integral mais saudável do planeta. Além de ser uma ótima fonte de carboidratos complexos, é rica em muitas vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes.

A aveia crua contém 66% de carboidratos, quase 11% são fibras, também possui em sua composição uma quantidade relativamente boa de proteína.

O alimento é bastante versátil e pode ser combinado com quase tudo sem alterar o sabor.

Além de promover energia e maior saciedade [1], pesquisas sugerem que a aveia pode reduzir o risco de doenças cardíacas diminuindo os níveis de colesterol ruim [2, 3], diminuir o nível de açúcar no sangue [4,5], aliviar a constipação [6,7], melhorar a saúde da pele [8], entre outros benefícios.

Uma porção de 100 gramas de aveia em grãos crus fornece 66,27 gramas carboidratos e 389 calorias [9].

Uma porção de 100 gramas de aveia em flocos fornece 57 gramas de carboidratos e 353 calorias.

Aveia em flocos sobre a mesa. A aveia é uma excelente fonte de carboidratos e de fibras, promovendo maior saciedade.

2. Batata doce

A batata doce é um dos tubérculos mais consumidos no Brasil e também um dos melhores. O alimento é uma excelente fonte de carboidratos, vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes.

Indispensável para quem quer manter a boa forma, pois possui médio índice glicêmico, ou seja, aumenta gradualmente a glicemia. Dessa forma, os carboidratos são digeridos lentamente, fornecendo energia ao organismo aos poucos, evitando os picos na produção de insulina, consequentemente promovendo mais energia e saciedade por mais tempo, tornando este superalimento uma das melhores fontes de carboidratos.

Além de fornecer energia possui outros benefícios tais como: auxilia no ganho de massa muscular, melhora da  saúde intestinal [10,11],  previne alguns tipos de câncer[12,13], pode melhorar a função cerebral [14,15], fortalece o sistema imunológico (devido a vitamina A)[16,17], contribui para o emagrecimento, pois promove maior saciedade, entre outros benefícios.

Uma porção de 100 gramas de batata doce cozida fornece 20,71 gramas de carboidratos e 90 calorias [18].

A batata doce é uma das alternativas mais populares e melhores fontes de carboidratos.

3. Inhame

É um tubérculo muito nutritivo originado da Ásia, África e do Caribe.
O inhame é uma excelente fonte de carboidratos, rico também em vitaminas, minerais e fibras.

Dentre os seus benefícios comprovados cientificamente estão: melhora da função cerebral [19,20], pode aliviar os sintomas da menopausa [21], auxilio no combate ao câncer[22,23], ação anti-inflamatória[24,25], melhor controle do açúcar no sangue [26,27], níveis de colesterol melhorados[21], melhora da digestão[28,29], ajuda na perda de peso[30], entre outros benefícios.

Uma porção de 100 gramas de inhame cru fornece 23,2 gramas de carboidratos e 97 calorias [31]. Na sua forma cozida, fornece 18,9 gramas de carboidratos e 78 calorias.

4. Pão Integral

Outra opção de carboidratos bastante completa é o pão integral. Rico em fibras, estas garantem a liberação mais lenta de açúcar no sangue, promovendo maior saciedade [32].

Uma fatia de 50 gramas de pão integral fornece 21 gramas de carboidratos e 128 calorias [33] (o valor nutricional do produto varia de acordo com o fabricante).

5. Mandioca (macaxeira ou aipim)

A mandioca é um vegetal fonte de carboidratos complexos, fibras, vitaminas, minerais e também uma pequena quantidade de proteína e gordura.

Além de fornecer energia possui outros benefícios como: ação anti-inflamatória e antioxidante, auxilia no tratamento de diabetes [34], melhora o funcionamento do intestino, fortalece o cabelo, reduz o colesterol e alivia os sintomas da artrite.

Uma porção de 100 gramas de mandioca cozida fornece 30,1 gramas de carboidratos e 125 calorias [31].

6. Arroz (integral e branco)

Sem sombra de dúvidas, o arroz está entre os grãos mais consumidos no mundo. Ele é uma das melhores fontes de carboidratos, proteínas, fibras, vitaminas e minerais.

Sempre que possível opte por sua versão integral, pois ela preserva mais nutrientes como fibras e vitaminas que são reduzidas no processo de refinamento do arroz branco.

Os principais benefícios do arroz integral são: fornecer energia, melhorar a saúde cardiovascular [35,36], regularizar o intestino, controlar o nível de açúcar no sangue contribuindo no tratamento de diabetes [37,38], auxiliar na perda de peso [39,40] e pode prevenir a doença de Alzheimer [41].

Uma porção de 100 gramas de arroz integral cozido fornece 25,8 gramas de carboidratos e 124 calorias [31].

Uma porção de 100 gramas de arroz branco cozido fornece 28,1 carboidratos e 128 calorias [31].

7. Quinoa

A quinoa é uma semente muito nutritiva que se tornou incrivelmente popular na comunidade de alimentação saudável.

A quinoa cozida tem 21,3% de carboidratos, tornando-a um alimento rico em carboidratos, mas também é uma boa fonte de proteínas e fibras.

Seus principais benefícios além de fornecer energia são: controlar o nível de açúcar no sangue [42,43], auxiliar na perda de peso [44,45], reduzir o colesterol e aumentar a imunidade.

Uma porção de 100 gramas de quinoa crua fornece 68 gramas de carboidratos e 335 calorias, já na sua forma cozida fornece 21,3 gramas e 120 calorias [46].

8. Feijão

As leguminosas como o feijão são excelentes fontes de carboidratos, além disso, também fornecem boas quantidades de proteína, vitaminas, minerais e antioxidantes.

Seus benefícios: fortalece o sistema imunológico [47], auxilia na perda de peso [48], ajuda no combate a diabetes [49], reduz o colesterol ruim [50] previne o câncer de colón e a anemia [51], entre outros benefícios.

Uma porção de 100 gramas de feijão preto cozido fornece 14 gramas de carboidratos e 77 calorias [31].

9. Grão de bico

Também conhecido como o grão da felicidade, o grão de bico faz parte da família das leguminosas.

O grão de bico cozido contém 27,4% de carboidratos, dos quais, 8% são fibras, sendo uma das fontes de carboidratos altamente recomendadas. Ele também é uma boa fonte de proteína vegetal, contém muitas vitaminais e minerais, incluindo ferro, fósforo e vitaminas do complexo B.

Dentre os seus benefícios podemos destacar: melhora da digestão [52], contribui para a perda e controle do peso [52], auxilia na prevenção de doenças crônicas como o câncer [52], diabetese cárdicas [53], entre outros.

Uma porção de 100 gramas de grão de bico cozido fornece 27,42 gramas de carboidratos e 164 calorias [54].

10. Lentilha

As lentilhas são sementes comestíveis da família de leguminosas. São altamente nutritivas, sendo boas fontes de carboidratos, proteínas, fibras, antioxidantes, vitaminas e minerais.

Os seus principais benefícios são: ajuda a diminuir o colesterol ruim [55], melhora o funcionamento do intestino [56], auxilia no combate ao diabetes [57], ajuda a prevenir o câncer e doenças cárdicas [58].

Uma porção de 100 gramas de lentilhas cozidas, fornece 16,3 gramas de carboidratos e 93 calorias [31].

11. Frutas

Frutas como maçã, banana, abacaxi, laranja, pera e morango são ricas em carboidratos, fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes. Opte por frutas inteiras ao invés do suco, pois assim é preservado a maior parte dos nutrientes.

Dentre os principais benéficos da ingestão das frutas citadas, podemos destacar: redução do colesterol [59], diminuição do risco de doenças cárdicas [60] e diabetes [60], melhora da digestão, aumento da sensação de saciedade [61], melhora do sistema imunológico [62], ação anti-inflamatória, entre outros diversos benefícios.

Uma porção de 100 gramas de maça com casca fornece 16,6 gramas de carboidratos e 63 calorias [31].

Uma porção de 100 gramas de banana prata fornece 26 gramas de carboidratos e 98 calorias [31].

Uma porção de 100 gramas de abacaxi fornece 12,3 gramas de carboidratos e 48 calorias [31].

Uma porção de 100 gramas de laranja lima fornece 11,5 gramas de carboidratos e 46 calorias [31].

Uma porção de 100 gramas de pera Williams, fornece 14 gramas de carboidratos e 53 calorias [31].

As frutas são excelentes fontes de carboidratos com baixa calorias, como podemos ver.

As frutas são ótimas fontes de carboidratos com baixas calorias.

Confira: Os 11 Alimentos Mais Ricos em Proteínas.

O que achou da nossa lista com as melhores fontes de carboidratos? Quais você já consome? Responda nos comentários!

Cansado de fazer series intermináveis de abdominais? Cansado de ficar horas em cima da esteira e não conseguir queimar gordura? Então você precisa ver esse vídeo, clique aqui!

Para queimar gordura e definir o abdômen acesse o guia definitivo e defina seu abdômen em poucas semanas.

Referências:

  1. β-glucan characteristics in human appetite control: a randomized crossover trial. Nutr J, Maio 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24884934. Acesso em: 18/09/2019.
  2. A, W. et al. Cholesterol-lowering effects of oat β-glucan: a meta-analysis of randomized controlled trials. Am J Clin Nutr, Dezembro 2014. Disponível em: https: //www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25411276. Acesso em: 18/09/2019.
  3. JT, B. et al. Oat beta-glucan reduces blood cholesterol concentration in hypercholesterolemic subjects. Eur J Clin Nutr, Julho 1994. Disponível em: https://www.ncbi.nlm. nih.gov/pubmed/7956987. Acesso em: 18/09/2019.
  4. JA, N. et al. Modulation of the postprandial phase by beta-glucan in overweight subjects: effects on glucose and insulin kinetics. Mol Nutr Food Res, Março 2009. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18837470. Acesso em: 18/09/2019.
  5. AL, J. et al. Depression of the glycemic index by high levels of beta-glucan fiber in two functional foods tested in type 2 diabetes. Eur J Clin Nutr, Julho 2002. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12080401. Acesso em: 18/09/2019.
  6. B, S. et al. The status of vitamins B6, B12, folate, and of homocysteine in geriatric home residents receiving laxatives or dietary fiber. J Nutr Health Aging, Março 2010. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20191257. Acesso em: 18/09/2019.
  7. B, S.; I, E. Intervention with dietary fiber to treat constipation and reduce laxative use in residents of nursing homes. Ann Nutr Metab, 2008. Disponível em: https: //www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18382081. Acesso em: 18/09/2019.
  8. KURTZ, E. S.; WALLO, W. Colloidal Oatmeal: History, Chemistry and Clinical Properties. Journal of drugs in dermatology, Março 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/6434542_Colloidal_Oatmeal_History_ Chemistry_and_Clinical_Properties. Acesso em: 18/09/2019.
  9. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Aveia – Tabela de Composição Química dos Alimentos. 2016. Disponível em: https://tabnut.dis.epm.br/alimento/ 20038/aveia. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  10. H, S. et al. Antioxidant and prebiotic activity of five peonidin-based anthocyanins extracted from purple sweet potato (Ipomoea batatas (L.) Lam.). Sci Rep, Março 2008. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29568082. Acesso em: 18/09/2019.
  11. X, Z. et al. The Modulatory Effect of Anthocyanins from Purple Sweet Potato on Human Intestinal Microbiota in Vitro. J Agric Food Chem, Março 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26975278. Acesso em: 18/09/2019.
  12. S, L. et al. Role of anthocyanin-enriched purple-fleshed sweet potato p40 in colorectal cancer prevention. Mol Nutr Food Res, Novembro 2013. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23784800. Acesso em: 18/09/2019.
  13. WL, L. et al. Purple sweet potato anthocyanin exerts antitumor effect in bladder cancer. Oncol Rep, Julho 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 29749527. Acesso em: 18/09/2019.
  14. Q, S. et al. Purple sweet potato color ameliorates cognition deficits and attenuates oxidative damage and inflammation in aging mouse brain induced by d-galactose. J Biomed Biotechnol, 2009. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 19865488. Acesso em: 18/09/2019.
  15. J, L.; Z, S.; Y, M. Purple sweet potato color attenuates high fat-induced neuroinflammation in mouse brain by inhibiting MAPK and NF-κB activation. Mol Med Rep, Março 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29344660. Acesso em: 18/09/2019.
  16. MORA, J. R.; IWATA, M.; ANDRIAN, U. H. von. Vitamin effects on the immune system: vitamins A and D take centre stage. Nat Rev Immunol, Setembro 2008. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2906676/. Acesso em: 18/09/2019.
  17. JW, L. et al. A food-based approach introducing orange-fleshed sweet potatoes increased vitamin A intake and serum retinol concentrations in young children in rural Mozambique. J Nutr, Maio 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 17449599. Acesso em: 18/09/2019.
  18. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Batata doce, cozida, assada com casca, sem sal – Tabela de Composição Química dos Alimentos. 2016. Disponível em: https://tabnut.dis.epm.br/alimento/11508/batata-doce-cozida-assada-com-cascasem-sal. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  19. TOHDA, C. et al. Diosgenin-Rich Yam Extract Enhances Cognitive Function: A Placebo-Controlled, Randomized, Double-Blind, Crossover Study of Healthy Adults. Nutrients, Outubro 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/ PMC5691776/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  20. CS, C. et al. Diosgenin ameliorates cognition deficit and attenuates oxidative damage in senescent mice induced by D-galactose. Am J Chin Med, 2011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21598421. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  21. WH, W. et al. Estrogenic effect of yam ingestion in healthy postmenopausal women. J Am Coll Nutr, Agosto 2005. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 16093400. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  22. WC, H.; FL, H.; MH, L. Yam (Dioscorea batatas) tuber mucilage exhibited antioxidant activities in vitro. Planta Med, Dezembro 2002. Disponível em: https://www.ncbi.nlm. nih.gov/pubmed/12494332. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  23. SON, I. S. et al. Antioxidant and Anti-inflammatory Effects of Yam (Dioscorea batatas Decne.) on Azoxymethane-induced Colonic Aberrant Crypt Foci in F344 Rats. Prev Nutr Food Sci, Junho 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/ articles/PMC4103732/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  24. ROSA CASAS et al. The effects of the mediterranean diet on biomarkers of vascular wall inflammation and plaque vulnerability in subjects with high risk for cardiovascular disease. A randomized trial. PLoS One, Junho 2014. Disponível em: https://www.ncbi. nlm.nih.gov/pubmed/24925270. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  25. CHIU, C. et al. Antioxidant and anti-inflammatory properties of Taiwanese yam (Dioscorea japonica Thunb. var. pseudojaponica (Hayata) Yamam.) and its reference compounds. Food Chem, Novembro 2013. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/23790890. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  26. GO, H. et al. Antidiabetic Effects of Yam (Dioscorea batatas) and Its Active Constituent, Allantoin, in a Rat Model of Streptozotocin-Induced Diabetes. Nutrients, Outubro 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4632431/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  27. ROSIDA et al. Hypoglycemic Effect of Modified Water Yam Flour (Dioscorea alata) on Diabetic Wistar Rats (Rattus norvegicus). Journal of Food and Nutrition Research, 2016. Disponível em: http://pubs.sciepub.com/jfnr/4/1/4/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  28. LI, T. et al. The beneficial effects of purple yam (Dioscorea alata L.) resistant starch on hyperlipidemia in high-fat-fed hamsters. Food Funct, Maio 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31025041. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  29. CHEN, H. et al. Effects of Taiwanese yam (Dioscorea japonica Thunb var. pseudojaponica Yamamoto) on upper gut function and lipid metabolism in Balb/c mice. Nutrition, Agosto 2003. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12831952. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  30. HELEN, O. T. et al. Dioscorea alata L. Reduces Body Weight by Reducing Food Intake and Fasting Blood Glucose Level. British Journal of Medicine & Medical Research, 2013. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/a7c4/ cea023e4762818903da3f0b41998d79623ed.pdf. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  31. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS; NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ALIMENTACÃO. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. 4. ed. BookEditora, 2011. 164 p. Disponível em: http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/ 2017/03/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  32. FARDET, A. New hypotheses for the health-protective mechanisms of whole-grain cereals: what is beyond fibre? Nutr Res Rev, Junho 2010. Disponível em: https: //www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20565994. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  33. NUTRELLA. Valor Nutricional Pão Integral 100% Supreme. 2019. Disponível em: https://www.nutrella.com.br/produtos/supreme/100. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  34. OC, O. et al. Blood glucose response on consumption of cassava varieties (Garri) in healthy Nigerian subjects. Journal of Nutrition and Human Health (2018), Janeiro 2018. Disponível em: http://www.alliedacademies.org/articles/blood-glucose-responseon-consumption-of-cassava-varieties-garri-in-healthynigerian-subjects-9503.html. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  35. PARK, Y. et al. Dietary fiber intake and mortality in the NIH-AARP Diet and Health Study. Arch Intern Med, Fevereiro 2011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pmc/articles/PMC3513325/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  36. AUNE, D. et al. Whole grain consumption and risk of cardiovascular disease, cancer, and all cause and cause specific mortality: systematic review and dose-response metaanalysis of prospective studies. BMJ, Junho 2016. Disponível em: https://www.ncbi. nlm.nih.gov/pubmed/27301975. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  37. NAKAYAMA, T. et al. Eating glutinous brown rice twice a day for 8 weeks improves glycemic control in Japanese patients with diabetes mellitus. Nutr Diabetes, Maio 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5518808/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  38. SUN, Q. et al. White rice, brown rice, and risk of type 2 diabetes in US men and women. Arch Intern Med, Junho 2010. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/20548009/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  39. LIU, S. et al. Relation between changes in intakes of dietary fiber and grain products and changes in weight and development of obesity among middle-aged women. Am J Clin Nutr, Novembro 2003. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 14594777. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  40. KAZEMZADEH, M. et al. Effect of Brown Rice Consumption on Inflammatory Marker and Cardiovascular Risk Factors among Overweight and Obese Non-menopausal Female Adults. Int J Prev Med, Abril 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pmc/articles/PMC4018597/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  41. OKUDA, M. et al. Highly water pressurized brown rice improves cognitive dysfunction in senescence-accelerated mouse prone 8 and reduces amyloid beta in the brain. BMC Complement Altern Med, Março 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pmc/articles/PMC5869774/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  42. RANILLA, L. G. et al. Evaluation of indigenous grains from the Peruvian Andean region for antidiabetes and antihypertension potential using in vitro methods. Journal of Medicinal Food, Agosto 2009. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 19735168. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  43. BERTI, C. et al. In vitro starch digestibility and in vivo glucose response of glutenfree foods and their gluten counterparts. Eur J Nutr, Agosto 2004. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15309439. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  44. ROBERTS, S. B. High-glycemic Index Foods, Hunger, and Obesity: Is There a Connection. Nutrition Reviews, Abril 2009. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley. com/doi/abs/10.1111/j.1753-4887.2000.tb01855.x. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  45. SLAVIN, J. L. Dietary fiber and body weight. Março 2005. Disponível em: https: //www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15797686/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  46. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Tabela de Composição Química dos Alimentos. 2016. Disponível em: https://tabnut.dis.epm.br/index.php/alimento/ 20137/quinoa-cozida. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  47. OKADA, M.; OKADA, Y. Effects of methanolic extracts from broad beans on cellular growth and antioxidant enzyme activity. Environ Health Prev Med, Novembro 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2723485/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  48. HALTON, T. L.; HU, F. B. The effects of high protein diets on thermogenesis, satiety and weight loss: a critical review. J Am Coll Nutr, Outubro 2004. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15466943. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  49. MESSINA, V. Nutritional and health benefits of dried beans. Am J Clin Nutr, Julho 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24871476. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  50. HA, V. et al. Effect of dietary pulse intake on established therapeutic lipid targets for cardiovascular risk reduction: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. CMAJ, Maio 2013. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/ articles/PMC4016088/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  51. JM, A. Iron deficiency anemia. A study of risk factors. Saudi Med J, Junho 2001. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11426238/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  52. WALLACE, T. C.; MURRAY, R.; ZELMAN, K. M. The Nutritional Value and Health Benefits of Chickpeas and Hummus. Nutrients, Dezembro 2016. Disponível em: https: //www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5188421/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  53. PITTAWAY, J. K.; ROBERTSON, I. K.; BALL, M. J. Chickpeas may influence fatty acid and fiber intake in an ad libitum diet, leading to small improvements in serum lipid profile and glycemic control. J Am Diet Assoc, Junho 2008. Disponível em: https: //www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18502235/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  54. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Grao-de-bico, semente madura, cozido, sem sal – Tabela de Composição Química dos Alimentos. 2016. Disponível em: https://tabnut.dis.epm.br/index.php/alimento/16057/grao-de-bico-semente-maduracozido-sem-sal. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  55. ASLANI, Z. et al. Lentil Sprouts Effect On Serum Lipids of Overweight and Obese Patients with Type 2 Diabetes. Health Promot Perspect, Outubro 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26634200. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  56. STEPHEN, A. M. et al. Effect of green lentils on colonic function, nitrogen balance, and serum lipids in healthy human subjects. Am J Clin Nutr, Dezembro 1995. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7491890. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  57. GANESAN, K.; XU, B. Polyphenol-Rich Lentils and Their Health Promoting Effects. Int J Mol Sci, Novembro 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/ articles/PMC5713359/. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  58. LUKITO, W. Candidate foods in the asia-pacific region for cardiovascular protection: nuts, soy, lentils and tempe. Asia Pac J Clin Nutr, 2001. Disponível em: https://www. ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11710352. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  59. CHO, K.; HAN, C.; LEE, B. Loss of body weight and fat and improved lipid profiles in obese rats fed apple pomace or apple juice concentrate. J Med Food, Setembro 2013. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23909905. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  60. GRIEP, L. M. O. et al. Colors of fruit and vegetables and 10-year incidence of stroke. Stroke, Novembro 2011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 21921279. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  61. BODINHAM, C. L.; FROST, G. S.; ROBERTSON, M. D. Acute ingestion of resistant starch reduces food intake in healthy adults. Br J Nutr., Março 2010. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19857367. Acesso em: 18 de set. de 2019.
  62. MAURER, H. R. Bromelain: biochemistry, pharmacology and medical use. Cellular and Molecular Life Sciences CMLS, Agosto 2001. Disponível em: https://link.springer. com/article/10.1007%2FPL00000936. Acesso em: 18 de set. de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *